Notícias

Futebol Internacional

Após 33 anos, Rampla Juniors vence maior rival em casa

Campeonato Uruguaio

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Rampla não vencia o Cerro no Olímpico desde 1986. Tabu de 33 anos foi quebrado hoje

Você conhece algum time que tenha ficado mais de três décadas sem vencer o maior rival no próprio estádio? A história que você vai ler é de arrepiar qualquer torcedor. Voltemos 33 anos no tempo. Em 1986, o Brasil dava os primeiros passos da volta à democracia. O Presidente da República era José Sarney e o governo lançou o Plano Cruzado. Veja só quanta coisa mudou até os dias de hoje não é mesmo?

No futebol, 1986 foi o ano da Copa do Mundo no México. Mas num bairro de Montevidéu, em frente a baía da capital uruguaia, o Rampla venceu o Cerro por 1 a 0 pela última vez em muitos anos. Desse passado distante até hoje, os dois clubes da “Villa del Cerro”, acirraram a rivalidade e disputaram “dérbis” fora do bairro, por causa da violência das torcidas. Os jogos aconteceram em palcos famosos no país como o estádio Centenário e o Gran Parque Central, campo do Nacional e o duelo virou o segundo maior clássico do Uruguai.

Aos poucos, a violência entre os torcedores deixou de ser empecilho e as partidas voltaram ao bairro. Mas uma dívida foi só aumentando e causando cada vez mais incômodo pra metade do bairro: o Rampla não conseguia vencer o Cerro em casa.

Uma geração inteira de torcedores Picapiedras ouviu piadas por três décadas, se frustrou sempre que recebeu o rival no Olímpico, e claro, transmitiu essa frustração a filhos que nasceram amando o Rampla. Imagine quantos “hinchas” deste clube derramaram lágrimas a cada empate ou derrota nestes clássicos, desfrutando tristemente da linda vista para o mar que existe de frente às tribunas do estádio, buscando respostas no horizonte para uma agonia que aumentava a cada ano.

Porém, nada é para sempre. Esse pesadelo teve um ponto final hoje! O destino, as vezes tão cruel com o Rampla, escolheu dois jogadores do time atual para enterrar essa história: Delis Vargas e Juan Albín. E esse mesmo destino decidiu que Albín, principal contratação do clube em 2019, nascesse justamente em 1986.

Foi Albín que aos 9 minutos do segundo tempo fechou o placar, com um golaço por cobertura. Antes, aos 37 do primeiro, Vargas fez 1 a 0.

O jogo foi uma das sete partidas da décima segunda rodada do Campeonato Uruguaio. Amanhã o país vai dar atenção exclusiva ao clássico entre Peñarol e Nacional.

A vitória do Rampla não permitiu ao time sair da zona de rebaixamento. Mas o ano é longo. E jogadores que superaram 33 anos de agonia, podem reverter qualquer situação.  A certeza é que nenhum torcedor Picapiedra  vai esquecer o dia 11 de maio de 2019. O dia que o maior tabu da história do clube, foi destruído por onze guerreiros.

Samuel Bonicontro (200 Posts)


Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe uma resposta