Notícias

Futebol Internacional

Crônica: ao Vélez, o desejo de um novo recomeço

Vélez

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Turbulência que parece não ter fim em Liniers. Vélez precisa se recuperar, mas não consegue enterrar o passado

No próximo dia 10 de agosto, começa uma nova temporada da Superliga Argentina, reformulado, o torneio terá 26 clubes e os promedios se tornam cada dia mais disputados e perigosos. Na temporada 2017/2018, o Vélez fez campanha de recuperação, de um início ruim com Omar de Felippe a remontada nas mãos de Gabriel Heinze.

O grande trunfo do ex-lateral da seleção Argentina e hoje técnico, foi a chegada do grande ídolo Mauro Zárete. Clamado e idolatrado pela torcida, Mauro voltou a sua casa após uma difícil negociação com seu clube Árabe, antes mesmo do anúncio oficial declarou: “Se o Vélez estiver passando por dificuldades, eu volto para ajudar” e então disse a frase que assombra os fortineros: “Na Argentina, eu só jogo no Vélez.”.

O clima era o melhor possível para o retorno da Superliga no início do ano, e o roteiro foi perfeito, Mauro salvou o Vélez em diversas partidas e faltando cinco rodadas para o fim do certame, a equipe de Gabriel Heinze não corria mais riscos de rebaixamento. Mauro cumpriu sua promessa e livrou o clube do coração do descenso.

No final de junho, com a temporada encerrada, os clubes buscam reforços, vendem e tentam manter seus melhores jogadores. Vélez mudou pouco, com exceção do gol, onde saíram dois goleiros e chegaram outros dois, o Vélez havia feito as trocas necessárias no meio da temporada passada, mas tinha algumas pendencias. Mauro era a principal delas, seu empréstimo com el Fortín encerrava no dia 30 de junho e seu clube árabe não queria mais empresta-lo e sim vende-lo. Então começa a corrida Fortinera em busca de recursos, o cofre se abriu em Linierns e Sérgio Rapisarda, presidente do Vélez, estava disposto a vender quem fosse para manter a estrela da companhia. O fim do contrato se aproxima e o Vélez anuncia: “Temos o dinheiro” e os jornalistas rebatem e anunciam “Mauro vai para o Boca”.

A notícia parou o mundo esportivo na Argentina por dois dias, Roly Zárete, empresário e irmão de Mauro e grande ídolo do Velez, afirma não saber de nada e é o primeiro a dizer a palavra mais ouvida nos últimos dias: “Traição!”

Mauro confirmado como novo reforço do Boca Juniors, mas faltavam explicações! Roly vai a público e diz que não sabia de nada. Rapisarda resolve tirar satisfações e solta a explicação que soa mais plausível do que simplesmente mais um caso de jogador mercenário. “Mauro foi ao Boca com a promessa de defender a seleção Argentina em 2022.” Uma bomba, se fosse no Brasil, mas nossos vizinhos têm como vice-presidente da sua federação o atual presidente do Clube Atlético Boca Juniors e não parece ser tão bombástica a notícia de promessa de seleção feita por dirigentes. Isso talvez explique alguns nomes convocados para Copa do Mundo de 2018 pela Albiceleste, mas é assunto para outra hora.

Daniel Angelici, presidente do Boca e vice-presidente da AFA (Associação Argentina de Futebol) anunciou em sua rede social o acordo com Mauro Zárete. A promessa de que na Argentina só jogaria no Vélez acabou em menos de seis meses, as semanas que sucederam o anuncio foram de extrema revolta, camisas queimadas, cartazes e anúncios com a foto do ex-ídolo arrancados e até de ameaças a Mauro e sua família.

Vélez e sua torcida velaram Mauro Zárete por tempo demais, talvez pela dor da traição de um grande ídolo ou pela surpresa que foi, mas Mauro continua sendo o principal assunto em Liniers. No meio disso tudo, o Vélez tinha o primeiro passo do torneio que considerava o mais importante da temporada, a chance de retornar a Copa Libertadores da América e principalmente de conquistar um título, a Copa Argentina e o compromisso era contra o semiamador Central Córdoba de Santiago del Estero.

O ambiente até parecia de vida nova aos torcedores do Vélez, foram em bom número até Temperley na parte sul de Buenos Aires, mas time e torcida continuavam a lembrar de Zárete. Desconcentrado, el Fortín saiu prendendo, mas arrumou um empate com sua nova jóia, Matías Vargas, a igualdade continuou e a partida foi para os pênaltis. Nazareno Bazán, de 19 anos e Lucas Robertone de 21 mandaram para fora o sonho de título para o Vélez na Copa Argentina.

De quem é a culpa? Das jovens promessas de Liniers, do professor Gabriel Heinze ou de Mauro Zárete? Ao Vélez, o desejo de um novo recomeço; e não há tempo para se lamentar, em três semanas o compromisso é contra o Newell’s Old Boys, no José Amalfitani pela estreia da Superliga Argentina.

Superliga Vélez
Clique na imagem para acessar o site

Leia mais sobre o futebol argentino

Kauan de Paula (38 Posts)

Curitibano, jornalista e designer em formação. Entusiasta de Barra Bravas e apaixonado pela cultura que cerca o futebol


Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe uma resposta