Notícias

NFL

Surpresas e decepções na temporada regular da NFL

surpresa eagles

Fizemos um levantamento das maiores surpresas positivas e negativas da NFL

Estamos em mais uma temporada emocionante da NFL. Com ela, surpresas e decepções aparecem ao longo da competição, e na atual não poderia ser diferente. Vamos destacar algumas vistas até aqui e dar uma luz sobre os possíveis motivos para tal sucesso ou tal fracasso. Começamos pela Conferência Americana e depois a Conferência Nacional.

Conferência Americana: Surpresas

Kansas City Chiefs

Uma das gratas surpresas nessa temporada é com toda a certeza o Kansas City Chiefs. Após a troca do quarterback Alex Smith, que foi para o Washington Redskins, coube a Patrick Mahomes liderar o time e levar o mesmo a voos mais altos. A resposta foi imediata, Mahomes fez até aqui excelentes jogos e o time lidera a Conferência Americana.

Recordes estão sendo quebrados e o mais esperado é o de passes para touchdown, onde Mahomes tenta atingir a marca de Payton Manning de 2015, com 55 passes para touchdown. Atualmente, o quarterback do Chiefs está com 37. Ou seja, falta pouco para Mahomes atingir a marca, são mais cinco jogos para atingir a marca, impossível não é, ainda mais se manter a boa média de passes por partida.

 

NFL: Kansas City Chiefs at Atlanta Falcons
Mahomes é um dos grandes candidatos ao prêmio de MVP. Foto: Jason Getz-USA TODAY Sports

 

Indianapolis Colts

Outra grata surpresa nessa temporada é o Indianapolis Colts. O time, que teve uma offseason conturbada, com a troca de head coach, com Chuck Pagano deixando o cargo e com a vinda e ida de Josh McDaniels para o Patriots, agiu rápido e trouxe Frank Reich, que estava trabalhando no Philadelphia Eagles. Coube a ele trazer Andrew Luck do ostracismo e dar uma nova vida ao então combalido Colts.

Os resultados demoraram um pouco a aparecer, mas agora são nítidos. O time está há alguns jogos sem perder e com chances altíssimas de playoffs. Andrew Luck está na sua melhor forma e não é sacado há vários jogos, preservando sua condição física. Além disso, o ataque está tendo ótimas chamadas, com jogo terrestre funcionando, com o running back, Marlon Mack, e o aéreo tendo boas atuações do então questionado tight end Eric Ebron, que lidera a equipe em touchdowns. Olho nessa equipe dos Colts.

Cleveland Browns

Muitos vão me perguntar por quê o Cleveland Browns, mas vou me justificar. O Browns tinha tudo para começar bem a temporada, fez ótimas movimentações na free agency, trazendo o running back, Carlos Hyde, e o wider receiver, Jarvis Landry, entre outros. No Draft fez boas escolhas, a primeira com quarterback, Baker Mayfield, e depois com cornerback, Denzel Ward. Porém, algo ainda estava emperrando a possível evolução do Browns, nome dele, Hue Jackson. Jackson não estava sendo bem quisto em Cleveland, tinha um recorde de 0-16 e mesmo assim foi mantido.

Com decisões equivocadas, que minaram possíveis vitórias da equipe, foram só um dos vários fatores que culminaram para demissão de Hue Jackson e do então coordenador ofensivo, Todd Haley. Com a saída dos dois, o time melhorou muito. De lá para cá fora duas vitórias muito convincentes, uma contra Atlanta Falcons e outra contra o Cincinnati Bengals. Além de Mayfield e Ward se destacarem na temporada, outro calouro que vem tendo ótimas atuações é o running back, Nick Chubb, que com a troca de Carlos Hyde com o Jaguars, deixou o jogo terrestre de Cleveland mais vivo.

Decepções

Jacksonville Jaguars

Na AFC é muito provável que o Jaguars seja a maior decepção. O time está com um ambiente ruim, recheado de problemas internos e com egos a flor da pele. Blake Bortles mais uma vez se mostrou incapaz de conduzir o ataque, Leonard Fournette só retorna agora, após várias semanas tentando recuperar uma lesão muscular, jogadores de defesa falando demais, como o cornerback Jalen Ramsey, que até chegou a ter sua troca cogitada pela imprensa americana.

Os problemas não param por aí, o então coordenador ofensivo, Nathaniel Hackett, foi demitido, sob a justificativa de não conseguir fazer o ataque jogar e Bortles, que é irrecuperável, ter atuações de quarterback confiável. Além disso, Doug Marrone, que já deveria ter saído tamanha covardia contra o Patriots na final de conferência de 2017 e a falta de comando no vestiário demostrada por ele até aqui, só cominam na temporada desastrosa de Jacksonville.

Oakland Raiders

A vinda de Jon Gruden para o cargo de head coach foi a pior decisão a ser tomada pelo staff do Raiders. Gruden era comentarista do Monday Night Football e está um quanto desatualizado sobre as estratégias de montagem e comando de equipe. Mesmo assim, o dono do Raiders, Mark Davis, quis pagar pra ver e ofereceu um contrato de 10 anos e US$ 100 milhões de dólares garantidos. Os maus resultados e decisões equivocadas começaram a aparecer.

A primeira delas foi a troca do pass rusher, Kalil Mack, que foi para o Chicago Bears. Mack negociava um novo contrato, mas Raiders não quis pagar e Gruden liberou Mack para ser trocado. Após a troca, Gruden argumentava a falta de pressão da defesa nos quarterbacks adversários. Depois disso, outra troca questionável, Amari Cooper, wide receiver 1 da equipe teve seu destino selado com o Dallas Cowboys. Cooper já se mostrou bom recebedor e no último jogo passou das 100 jardas e anotou dois touchdowns. E outra troca possível é de Derek Carr. O quarterback não vem bem na temporada e já se desentendeu com Gruden. O turbilhão em Oakland tende a continuar.

 

surpresa raiders
Jon Gruden mostrou que como técnico, é um ótimo comentarista. Foto: USA Today

 

Cincinnati Bengals

Os Bengals até que começaram bem a temporada, tendo quatro vitórias e uma derrota. Porém, tudo começou a ruir. Desde a vitória sobre o Miami Dolphins, na semana 5, o time não sabe o que é vencer e já amarga uma campanha negativa, acumulando 5 derrotas em 6 jogos. A última foi para o rival de divisão, Cleveland Browns. Motivos são vários para tal queda de rendimento.

A primeira é a lesão de AJ Green, que fez com que o ataque tivesse uma queda significativa de produção de pontos. Segundo, Marvin Lewis de última hora retornou para ser head coach e, mais uma vez, sucumbiu perante aos problemas do time e, por fim, a maior delas, a demissão do então coordenador defensivo, Teryl Austin, e a contratação do recém-desempregado, Hue Jackson, que teve trabalho pífio em Cleveland.

Conferência Nacional – Surpresas

Chicago Bears

Após algumas temporadas de enormes decepções, o torcedor do Chicago Bears pode enfim ter uma alegria. O time lidera a NFC Norte, com oito vitórias e apenas três derrotas. Além disso, a equipe passou por uma reformulação, começando pelo quarterback. Mitchell Trubisky foi o escolhido, mas sob comando de John Fox teve atuações muito irregulares e o time foi mal. Entretanto, tudo iria mudar.

Jonh Fox foi demitido, e o então coordenador ofensivo do Kansas City Chiefs, Matt Nagy, foi o escolhido para o cargo de head coach. Movimentações na free agency, trazendo alvos para Trubisky, como os wide receivers, Taylor Gabriel e Allen Robinson, e o tight end Trey Burton, além do upgrade na defesa com a vinda de Kalil Mack e ótimas escolhas no Draft, fizeram do ursinho feio a um urso muito poderoso. Com o trabalho bem executado por Nagy, o futuro do Bears é muito promissor, começando por essa temporada.

 

Tampa Bay Buccaneers v Chicago Bears
Khalil Mack é, sem dúvidas, um dos maiores destaques da NFL. Foto: Jonathan Daniel/Getty Images

 

Dallas Cowboys

O Dallas Cowboys tinha tudo para mais uma vez ter uma temporada pífia e ficar fora dos playoffs. Mas, com mudanças no ataque, com o running back, Ezekiel Ellitott, sendo mais protagonista e a chegada de Amari Cooper para ser o principal alvo de Dak Prescott, aliado com boas atuações da defesa, tendo o linerbacker calouro, Leighton Vander Esch, como principal jogador, fizeram com que o Dallas ganhasse vida na temporada.

Mas não foi só isso, as três últimas vitórias foram extremamente importantes para essa reviravolta. Ter vencido os dois rivais de divisão, Philadelphia Eagles e Washington Redskins, além do Atlanta Falcons na sua casa, deram uma reviravolta incrível na NFC East e agora Dallas, que via suas chances pequenas de playoffs, pode ser campeão de divisão e, assim, seguir para a pós temporada.

Seattle Seahawks

Esse é o time que pode ser comparado aos carros com carburador, as vezes só pega no tranco ou quase sempre. O Seahawks, que tinha começado muito mal a temporada, com a defesa desconfigurada, com uma linha ofensiva que parecia incapaz de proteger Russell Wilson e abrir caminho jogo terrestre, só foram alguns dos ingredientes amargos que Pete Carroll e companhia tiveram que aceitar. Porém, tudo mudou. O time vem de duas vitórias importantíssimas, que os colocam mais uma vez na briga por uma vaga de Wild Card.

As duas vitórias vieram sobre o combalido Green Bay Packers e a outra foi fora de casa, sobre o Carolina Panthers. Com isso, o Seahawks chegou a seis vitórias e vê as chances de ir aos playoffs bem real. A tabela lhe favorece, uma vez que vai ter duelos dentro da própria divisão contra o Arizona Cardinals e San Francisco 49ers, vitórias essa importantes e preponderantes para estarem nos playoffs. Ambos os times só brigam pela 1ª escolha do próximo Draft.

Decepções

Philadelphia Eagles

Uma das maiores expectativas de serem positivas, o Philadelphia Eagles não correspondeu a isso da melhor maneira possível. Carson Wentz demorou a retornar devido a lesão, e coube a Nick Foles a levar a equipe às vitórias até que Wentz retornasse. Porém, não foi bem assim. O time ganhou a primeira partida, contra o Atlanta Falcons, depois alternou muito nas atuações. Mesmo com o retorno de Wentz, o ataque se mostrou em enorme dificuldade para andar em campo.

Vários fatores podem ser creditados, o primeiro deles é a saída de John DeFellippo e Frank Reich na coordenação de ataque. Depois, o número alto de lesões, com Jay Ajayi e Darren Sproles lesionados por quase toda a temporada. Na defesa, mais perdas importantes, dentre as quais pode se destacar a perda do cornerback, Ronald Darby. O Eagles tem chances de classificação, mas, para isso, tem que vencer todas e contar com resultados de outros jogos. Se for eliminado, será a primeira vez na era Super Bowl que um time campeão no ano anterior não avança aos playoffs.

Green Bay Packers

Pela segunda temporada seguida, o Green Bay Packers está praticamente fora da pós temporada. O time não consegue ganhar fora de casa e em alguns jogos teve sua vitória no sufoco. Um dos principais responsáveis por tais atuações,é o head coach Mike McCarthy. As chamadas, que já eram ruins em temporadas passadas, mas eram encobertas pelo talento de Aaron Rodgers, parecem ser explicitadas da maneira mais nua e crua nessa temporada.

Rotas de wide receivers malfeitas, rápida abdicação do jogo terrestre, pouca utilização dos tight ends nas campanhas de ataque e na redzone, são só uns dos vários problemas do ataque do Packers. Mesmo com a melhora razoável da defesa, o ataque continua a não responder, e o pior, Rodgers tem sua pior temporada no Packers, isso depois a sua renovação de contrato, tendo o maior salário de um jogador na liga.

 

Green Bay Packers v Minnesota Vikings
Nem toda a mágica de Aaron Rodgers tem conseguido salvar Green Bay. Foto: Hannah Foslien/Getty Images

 

Atlanta Falcons

Não vai ser dessa vez que o Super Bowl vai ter um mandante a figurar a partida mais importante da temporada. O Atlanta Falcons até que tinha possibilidades de ir ao Super Bowl 54, com um bom time, uma vez que não se pode desprezar jogadores talentosos como Matt Ryan e Júlio Jones, Deon Jones e Vic Beasley. Contudo, os resultados negativos vieram e, em meio a isso, lesões de jogadores importantes também.

Dentre eles, o running back, Devonta Freeman, Keanu Neal e Ricardo Allen que estão fora da temporada. Além deles, Deion Jones não tem sua volta confirmada para essa temporada, ou seja, as lesões estão sendo fundamentais para o mal desempenho do Falcons no atual certame. Contudo, o ataque tem seu problemas também, considerado um alvo forte na endzone, Júlio Jones tem apenas três touchdowns marcados em toda temporada e vem sendo muito criticado, uma vez que chegou a cogitar greve para aumentar seu salário e renovação de contrato.

Isso é apenas o início

Essas só foram algumas das surpresas e decepções, mas que poderão ter sua lista aumentada até o fim da temporada regular. Até lá vamos analisar quem surpreendeu e quem decepcionou. Ou seja, assunto não vai faltar na NFL.

 

Veja também:

Técnicos na berlinda: a possível dança das cadeiras na NFL

Los Angeles: Do ostracismo a duas fortes franquias na NFL


 

Roma
Clique na imagem para acessar o site

Deixe uma resposta