Notícias

Futebol Brasileiro

Botafogo: Papai Noel chegou com presentes financeiros não agradáveis

aaa

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Com três casos de penhoras e dívida com a Odebrecht, alvinegro termina mais um ano em situação financeira complicada por causa da herança de Maurício Assumpção

Após o término da temporada, o clube fez movimentações no mercado para conseguir ajudar em seu difícil quadro financeiro. A principal transação foi a venda do volante Matheus Fernandes ao Palmeiras por cerca de R$ 15 milhões. Visto com uma joia da base alvinegra, ele teve até mesmo proposta maior do Genoa, da Itália, algo em torno de R$ 19 milhões.

Mas até então era visto o lado positivo, a entrada de um dinheiro nos cofres do clube para estabilizar melhor o ano de 2019. Entretanto, um velho fantasma voltou a assombrar o clube de General Severiano, as penhoras.

Determinado pela justiça, R$ 6,4 milhões do valor da transação de Matheus Fernandes foi penhorado para a pagar dívida do Botafogo com o seu ex-treinador Oswaldo de Oliveira, de 2013. Porém, o clube ainda irá fazer sua tentativa de suspender a decisão da juíza substituta da 14º Vara do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, pois ela mudou uma sentença do juiz titular da mesma Vara, que havia indeferido o pedido de penhora. Outra mudança nesse caso pode ser nos valores, pois ainda não houve nenhuma audiência ou conversa entre o Botafogo e o treinador para negociar o pagamento.

Não para por aí os impactos nos cofres alvinegros. O clube recebeu uma notificação de que o valor recebido pela CBF de R$ 1.806.930,00 estaria penhorado. Esse valor é referente ao nono lugar conquistado pelo Botafogo no Campeonato Brasileiro e a penhora é referente a dívida do clube com André Bahia, que atuou no clube nos anos de 2013 e 2014. Com determinação judicial desde 2015 para receber o seu valor de mais de R$ 2 milhões, nesta quarta-feira a juíza Flavia Cozzolino, da 11º Vara do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro determinou a penhora da bonificação do clube. O Botafogo ainda tenta se defender do caso, mas o valor que foi recebido da Confederação Brasileira de Futebol já foi utilizado e dividido entre os atletas antes de sair essa decisão judicial.

Ainda nessa quarta-feira surgiu mais um caso de penhora ao clube, dessa vez de Henrique Almeida. A cobrança é equivalente a intermediação da contratação do atacante pelo clube em 2013. Com o resultado expedido pela desembargadora Denise Simões, da 5º Câmara Cívil TJRJ, o Botafogo terá 30% do valor mensal recebido pela Rede Globo e pela CBF bloqueados e repassados a Henrique Almeida, até que seja paga a dívida de R$ 808.715,54.

E o caso mais grave que está em trâmite é entre o Botafogo e Odebrecht. O departamento jurídico vem tendo derrotas no tribunal e vê a dívida a ser paga aumentar cada vez mais. Vale lembrar que em 2013, o clube pegou um empréstimo com a Odebrecht no cenário em que o Estádio Nilton Santos, na época chamado de Engenhão, estava interditado por ter sido constatado com risco de desabamento e o Maracanã estava precisando de dois clubes que assinassem com então consórcio para que o contrato não fosse contestado. O estranho é que ninguém sabe até hoje como esse empréstimo foi assinado sem nem mesmo ter passado pelo conselho deliberativo do clube.

Em 2013 o valor era de R$ 11,4 milhões. Em 2014 saltou para R$ 23,7 milhões. Em 2015 subiu R$ 28,8 milhões. Em 2016 chegou a casa de R$ 35,5 milhões. Como a Odebrecht não cobrou o clube por estar sendo investigada na lava-jato e o Botafogo sem condições de pagar também não se manifestou, esse valor foi crescendo. Atualmente a dívida chega em cerca de R$ 41 milhões e o departamento jurídico do Botafogo sofre na justiça por não conseguir derrubar as cobranças que agora estão sendo feitas pela Odebrecht.

Vale lembrar que todas essas dívidas que estão vindo a tona foram no período do mandato do “Papai noel” Maurício Assumpção. O ex-presidente teve que dar depoimentos a polícia. Os casos na justiça que foram ganhos antes do clube entrar no Ato Trabalhista ainda podem estourar no final desse ano ou início de 2019. Após o último presidente Carlos Eduardo Pereira assumir o seu mandato, uma das principais medidas dele foi exonerar Assumpção do quadro do Botafogo e hoje Maurício não tem mais influências diretas dentro do clube.

Joao Pedro (245 Posts)

Estudante de Jornalismo na Instituição IBMR Barra, Rio de Janeiro.


Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe uma resposta