Notícias

Outros

Ana Konjuh: “Tenho 70% de chances de voltar a jogar”

Screenshot_20190608-230251

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Ana Konjuh relatou o drama que tem vivido ao tentar retornar as quadras

Em um momento na WTA quando os adolescentes estão prosperando, uma ex-rainha adolescente está querendo dar mais uma vez o tênis profissional.

A ex-número 20 do mundo, Ana Konjuh, que ficou de lado nos últimos dois anos, é a mais recente jogadora da WTA a compartilhar sua história na conta do Instagram “Behind the Racquet”.

A iniciativa, iniciada pelo jogador americano ATP Noah Rubin, visa oferecer uma visão única da perspectiva dos tenistas no circuito.

Entre os que compartilharam sua história na edição deste ano estão Catherine Bellis, a recém-chegada nana W, que perdeu mais de um ano de ação devido a uma série de lesões no braço; Sensação canadense Bianca Andreescu, que abriu-se para falar sobre sua própria lesão no ombro depois de vencer Indian Wells; e a crescente britânica Katie Swan, que usou sua plataforma para defender a importância da saúde mental em atletas.

Konjuh foi campeã júnior do Aberto da Austrália e do Aberto dos EUA em 2013 e, aos 17 anos, venceu o Nature Valley International em Nottingham em 2015 – tornando-se a jogadora mais jovem a conquistar um título WTA desde 2006 na época.

Mais tarde, chegou às quartas de final do Aberto dos EUA em 2016, tornando-se a mais jovem finalista do US Open em uma década, e também a primeira feminista croata Slam, desde Karolina Sprem em Wimbledon, em 2004.

Ana Konjuh viveu problemas maiores que suas lesões

No post, a jovem Croata de 21 anos, detalhou sua luta contra lesões desde a tenra idade, e apesar delas, se abriu sobre como a quadra de tênis provou ser seu oásis quando sua irmã caiu em coma com uma doença cerebral rara.

“Desde que eu tinha 12 anos, lembro-me de jogar tênis com algum tipo de dor no cotovelo”, escreveu Konjuh.

“Para continuar minha carreira, eu estava tomando analgésicos até que um médico sugeriu cirurgia. Depois de terminar uma carreira júnior de sucesso aos 16 anos, eu tive que colocar minha carreira profissional em espera para a reabilitação. Na verdade correu bem e eu fiquei sem dor por três. Durante anos e meio, outras lesões me impediram, como uma hérnia de disco nas minhas costas e um tornozelo torcido.

“Durante esse período difícil [com a doença de sua irmã], o tênis me manteve em movimento … mas mal sabia eu, os problemas com o cotovelo estavam apenas começando. Eu estava no topo da carreira de nº20 no mundo em 2017 e talvez as coisas estivessem indo bem demais.

Desde que alcançou seus maiores vôos na turnê, Konjuh passou por três cirurgias em seu cotovelo direito. O primeiro veio em 2014, o segundo em setembro de 2017 e o terceiro no ano passado.

Dor na volta

Ela competiu em apenas quatro torneios em 2018, antes da dor retornar. Após um intervalo de seis meses, e após apenas três jogos nesta temporada, ela precisou de uma quarta operação para reconstruir o ligamento ulnar.

“Agora, em 2019, estou tentando todas as raquetes, cordas e técnicas possíveis. Senti-me desamparado com o fato de que este esporte, ao qual dediquei minha vida, está me dando todos esses problemas”, disse ela.

“Se eu não adorasse bater tanto nessa bola amarela, teria desistido há muito tempo, mas disse a mim mesmo para se dar mais uma chance.

“Tenho cerca de 70% de chance de retornar, mas estou indo em frente. Tenho esse objetivo em mente e não aceito nenhum outro desfecho”.

 

Esportes Mais

Facebook

Matheus Silva (552 Posts)

Matheus Silva, natural de Feira de Santana, 19 anos, estudante de administração.


Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe uma resposta