Notícias

Matérias Especiais

Jogos LGBTQIAP+ terão a participação de 43 equipes

Jogos

Nas modalidades de futebol, futsal e vôlei a primeira edição dos jogos, que será realizado no mês de novembro em São Paulo, vai promover a inclusão e integração social no esporte

A Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME) avança nos preparativos para a realização do 1º Jogos LGBTQIAP+, que serão disputados nos dias 26, 27 e 28 de novembro, no Centro Esportivo Mané Garrincha e no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em Moema, na zona sul de São Paulo.

Além de conscientizar sobre a importância do esporte para a saúde física e mental, o 1º Jogos LGBTQIAP+ tem o objetivo de promover a inclusão e a integração social, cultivando o respeito à igualdade de direitos e a convivência com a diversidade gênero-sexual.

Representantes das 43 equipes que vão estar nos Jogos participaram nesta semana na SEME do Congresso Técnico que discutiu o regulamento e demais detalhes do torneio.

As modalidades ficaram da seguinte forma:

– Futebol de campo masculino gay: 3 equipes
– Futsal masculino gay: 8 equipes
– Futsal masculino trans: 4 equipes
– Futsal feminino lésbica: 5 equipes
– Vôlei masculino gay: 18 equipes
– Vôlei feminino trans: 5 equipes

Todos os participantes dos Jogos LGTBQIAP+ receberão medalhas de ouro. A equipe campeã e vice de cada modalidade serão agraciadas com troféus.

O assessor da diretoria da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, Mário Maeda Jr, responsável pela organização do torneio, considera o evento um marco para a SEME: “No Congresso Técnico tivemos a oportunidade de discutir e esclarecer todo o regulamento dos Jogos, desde a abertura até o encerramento. Todas as equipes mandaram representantes e no que depender do interesse e entusiasmo o torneio tem tudo para ser um sucesso”, contou.

A cerimônia de abertura da primeira edição dos Jogos LGBTQIAP+ será no dia 26, às 19h, no Ginásio Mané Garrincha, e terá a participação de personalidades que lutam pela inclusão e a igualdade no mundo esportivo, além de apresentações artísticas.

A assessora técnica da SEME, Renata Peron, diz que os Jogos serão uma oportunidade para desmistificar a ideia que ainda existe em alguns setores da sociedade que os LGBTs não podem estar em todos os lugares: “Acreditamos que todos precisam de oportunidade. São atletas muito talentosos que querem crescer e evoluir no esporte, a questão não é se tornar atleta profissional, mas sim de fazer parte da sociedade”, disse.

E é justamente a oportunidade que celebra Thaís Montes, de 30 anos: “Sou uma mulher trans, atleta do time Angels Volley, um time de mulheres trans e travestis. Iniciei no vôlei aos 12 anos de idade na escola, joguei em vários times. Eu teria uma carreira promissora, mas quando comecei minha transição ficou uma coisa complicada porque eu jogava no time masculino. Um dia o técnico me chamou e disse que eu não poderia mais continuar”.

A primeira edição dos Jogos LGBTQIAP+ vai contar com a participação de mais 700 atletas. As informações e o regulamento estão disponíveis no site da SEME.

 

Texto elaborado por Paulo Rodolfo de Lima: prlima@prefeitura.sp.gov.br

Crédito da Foto: Divulgação / Angels Volley

Esportes Mais

Esportes Mais no Facebook

Deixe uma resposta