Notícias

+ Esportes

Wilson concede entrevista exclusiva para o Esportes Mais: “Me sinto muito agradecido”

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Atualmente no Coritiba, Wilson conversa sobre sua carreira e momentos inesquecíveis

Nascido em Santo André em São Paulo, Wilson possui 32 anos de idade e carrega em sua trajetória no futebol bastante experiência. O goleiro já teve passagens pelos seguintes clubes: Flamengo, Figueirense, Vitória, Coritiba, Olaria e Portuguesa-RJ.

Podemos destacar na carreira de Wilson, o momento por qual defendeu a camisa do Figueirense. Wilson obteve no time de Santa Catarina diversas oportunidades, títulos e participações em finais de campeonatos, foi o goleiro que realizou mais partidas vestindo a camisa do clube e muito mais. Vamos começar a entrevista?

Arthur Fernandes: Wilson, você ficou cerca de 10 anos nas categorias de base do Flamengo, se tornou profissional no clube Rubro-Negro, teve algumas passagens discretas pelo Olaria e Portuguesa – RJ. Quais foram os motivos para você não ser aproveitado pelo Flamengo como profissional? Vestindo a camisa do Flamengo profissionalmente sua carreira poderia ter sido melhor?

Wilson: Quando cheguei aos profissionais do Flamengo o titular era o Júlio César, a quem tenho um grande respeito e admiração. Com poucas chances de jogar, solicitei meu empréstimo ao Figueirense onde fui muito feliz nas seis temporadas em que lá estive. Lógico que jogar no Flamengo tem uma visibilidade maior, mas não me arrependo das escolhas que fiz na minha carreira.

Arthur Fernandes: No Figueirense, você fez um excelente trabalho. Foram aproximadamente 300 jogos vestindo a camisa do Figueirense, 1 título e 2 vice-campeonatos. O que esse clube representa para você? Podemos esperar a aposentadoria de sua carreira no clube catarinense?

Wilson: No Figueirense foram exatas 331 partidas, sendo o goleiro que mais vezes atuou pelo clube. Devo muito ao Figueirense, que foi quem me deu a oportunidade de aparecer para o cenário nacional. Tenho um carinho muito grande pelo clube e pelos torcedores. Sobre aposentadoria, ainda não parei para pensar sobre isso.

Arthur Fernandes: Qual momento, vivido no Figueirense, você considera muito especial e que jamais vai esquecer dentro do clube?

Wilson: Foram muitos momentos felizes. A campanha histórica na Copa do Brasil em 2007, onde chegamos a final, o acesso à Série A em 2011, os três gols que marquei pelo clube, as homenagens que recebi. Foram muitas coisas boas que vou levar para sempre na minha memória.

Arthur Fernandes: Em um jogo contra o Rio Branco, que você agarrou uma bola recuada e que resultou em gol, minutos depois você marcou um gol de cabeça e resultou em um empate por 3 a 3. Por qual motivo você pegou a bola recuada? Qual foi a sensação de fazer esse gol?

Wilson: Foi uma bola que na minha visão tinha sido recuada intencionalmente, foi uma interpretação do árbitro. Tive a felicidade de arriscar uma ida à área adversaria e fazer o gol de empate. Foi uma sensação única e maravilhosa.

Arthur Fernandes: Você teve uma passagem pelo Vitória, jogou de 2013 até 2015 e disputou cerca de 96 partidas. A responsabilidade de agarrar contra o rival Bahia era muito grande? Como era a cobrança da torcida com você?

Wilson: Todos os clássicos regionais são diferentes e no BAVI não era diferente. Sempre tive uma relação muito boa com os torcedores do Vitória, que é um clube que também me acolheu muito bem.

Arthur Fernandes: Atualmente, você defende as cores do Coritiba e já disputou aproximadamente 46 partidas. Quais os seus objetivos dentro do clube? Como é a sua relação com a torcida?

Wilson: Cheguei ao Coritiba em um momento delicado no ano passado e conseguimos ajudar na luta contra o rebaixamento, onde poucas pessoas acreditavam. A torcida do Coritiba é espetacular e a relação com eles é a melhor possível, recebo sempre um carinho muito grande e me sinto muito agradecido por isso.

Arthur Fernandes: Em toda sua carreira você marcou 4 gols, 3 gols no Figueirense e 1 no Coritiba. É possível te considerar um goleiro-artilheiro?

Wilson: Goleiro-artilheiro não. Isso era com o Rogério Ceni. Eu tento ajudar de alguma forma quando surge uma oportunidade, mas a minha maior preocupação é em não sofrer gols.

Arthur Fernandes: Na época que você jogava no Figueirense, você merecia ter alguma chance na Seleção Brasileira? Sempre foi seu sonho?

Wilson: Acho que qualquer jogador tem o sonho de defender a seleção do seu país e comigo não é diferente. No Brasil estamos com uma safra muito boa de goleiros.

Clique na imagem para acessar o site

Arthur Fernandes: Wilson, muito obrigado por conversar com o Esportes Mais, eu e todos os colaboradores te desejamos muito sucesso em sua carreira. Para finalizar, você gostaria de deixar alguma mensagem para nossos leitores ou para os torcedores do Coritiba?

Wilson: Arthur, eu agradeço a oportunidade e aproveito para pedir aos torcedores do Coxa, que continuem do nosso lado durante o Brasileirão para que no final do ano possamos estar comemorando uma classificação digna e que honre a tradição do clube. Obrigado!

Clique na imagem para acessar o site

Reportagem: Arthur Fernandes

 

Arthur Fernandes (341 Posts)

Arthur Fernandes é carioca, o seu hobby é o aprendizado de idiomas e dialetos, o seu objetivo é superar o máximo de expectativas impostas e torce exclusivamente para o Orlando City.


Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe uma resposta