Notícias

Sem categoria

Análise: O futebol está realmente evoluindo nos Estados Unidos?

jogadoresmls

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Com participação dos jogadores Alex, Bruno Militz, Pedro Ribeiro e Artur, confira uma breve análise sobre o futebol nos Estados Unidos

O “soccer”, assim como é conhecido o futebol nos países norte-americanos, é bastante interessante. Os principais campeonatos dos Estados Unidos é a Major League Soccer (MLS) e a Lamar Hunt US Open Cup. Vale lembrar que em nenhuma liga há o sistema de rebaixamento, ou seja, para fazer parte de algum campeonato basta seguir as regras, apresentar um projeto e pagar algumas taxas estipuladas pelas ligas.

Entretanto, existem outras ligas no país, como (a): North American Soccer League (NASL), United Soccer League (USL), Premier Development League (PDL), National Premier Soccer League (NPSL) e as ligas universitárias. Além disso, tem as ligas regionais como, por exemplo, a American Premier Soccer League (APSL), que reúne equipes do sul da Flórida.

Por isso, nós do Esportes Mais convidamos o Alex (meio-campista do Houston Dynamo), Pedro Ribeiro (atacante do Harrisburg City Islanders), Bruno Militz (meio-campista do Boca Raton FC) e o Arthur (volante do Columbus Crew) para analisarmos a evolução do futebol nos Estados Unidos.

LEIA MAIS – Análise: O futebol feminino brasileiro precisa de apoio?

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas praticando esportes e atividades ao ar livre

Crédito da foto: (Boca Raton FC)

 O Bruno Militz é brasileiro, tem 26 anos de idade e, além de obter a braçadeira de capitão, joga como meio-campista no Boca Raton FC da National Premier Soccer League (NPSL) e da American Premier Soccer League (APSL). Militz começou a sua carreira como jogador nos Estados Unidos, quando ingressou no futebol universitário vestindo a camisa da Lynn University, que está situada na cidade de Boca Raton na Flórida e disputa a NCAA Division 2. Então, Bruno Militz nos contou como são as ligas por qual ele já teve contato nos Estados Unidos, tanto dentro quanto fora de campo.

“Quanto a liga universitária, eu acredito que seja uma das coisas mais bem construída de todos os tempos. Dar a oportunidade para o ser humano poder continuar sonhando com o esporte, sem deixar os estudos de lado, é de fato uma das coisas mais surpreendentes que eu já vi. O nível é muito bom, existem muitos jogadores de excelente qualidade e com certeza eu indico para qualquer pessoa. A liga universitária é muito boa dentro de campo, principalmente pelo respeito que as pessoas tem por você e a maturidade da maioria dos jogadores. Quem está jogando ali, está pelo menos cursando uma faculdade, ou seja, tem um nível intelectual pelo menos razoável para entender a diferença de jogar limpo e jogar sujo. Quanto a NPSL, é totalmente diferente da liga universitária. É uma liga totalmente amadora e falta muita infraestrutura para muitas coisas. Infelizmente os times não treinam todos os dias, poucos times pagam os jogadores, então, torna-se uma Sunday League, como eles chamam aqui, a famosa liga de domingo. Claro que tem times que treinam e tem uma estrutura melhor, mas se formos tirar dos quase 100 times que atuam, eu diria que 10 tem condições de ser avaliado com uma estrutura profissional”, contou Bruno Militz.

Embora o Bruno tenha feito uma forte critica à NPSL, a liga é considerada pela US Soccer como um campeonato entre times semi profissionais e a classifica como a quarta liga de maior relevância no país. Os times da National Premier Soccer League são filiados à United States Adult Soccer Association (USASA), logo, tem o direito de participar da US Open Cup, que é o torneio mais antigo e importante do país. A NPSL foi fundada em 2003, é dividida em 14 conferências, abrange 4 regiões e cerca de 96 times participam da liga. Já a APSL, é considerada como uma liga amadora que abrange o sul da Flórida. Fundada em 2015, aproximadamente 9 equipes participam do campeonato. Militz fez uma breve comparação entre essas ligas.

“A APSL e NPSL são parecidas, acredito que apenas o nível dos times que mudam. As duas ligas são realizadas com os times aqui da Flórida. Porém, uma é restrita a somente clubes do sul da Flórida e outra tem uma abrangência nacional e diversas equipes de todo o estado participam. Então, temos muito contato com Latinos. Todos nós sabemos como é jogar com argentinos, uruguaios, colombianos, brasileiros e entre outros. Se tem muito respeito pela questão da cultura do país, mas futebol é futebol, e sabemos que dentro de campo todo mundo entra para ganhar e defender o seu time”, disse Bruno.

Quando perguntado sobre como é a estrutura que a Lynn University e o Boca Raton FC oferecem aos atletas, Bruno Militz elogia a Lynn University e diz que a estrutura de ambas as equipes  são melhores do que muitos times no Brasil.

“A universidade tem uma estrutura incrível e com coisas que, provavelmente, times da primeira divisão do Brasil não tem. Em 2012, foi investido 2 milhões de Dólares na Lynn University para construir um novo estádio com alojamento e toda a estrutura. Então, só tenho elogios a toda estrutura que foi proporcionada, assim como à todos os times que visitamos, que mantém o mesmo nível. Quanto ao Boca, muito acima das infraestruturas do Brasil, mesmo jogando e treinando em parques públicos muitas vezes, mas pobre em questão de comprometimento dos jogadores e a organização da liga”, analisou Bruno.

Crédito da foto: (Harrisbug City Islanders)

LEIA MAIS – Bruno Militz enfrentará grandes clubes da Europa; entenda

O Pedro Ribeiro é brasileiro, tem 27 anos de idade e joga como atacante no Harrisburg City Islanders da United Soccer League (USL). Assim como o Bruno Militz, Pedro também começou a sua carreira nas ligas universitárias. Revelado pela Coastal Carolina University, Ribeiro já jogou em grandes clubes dos Estados Unidos como o Philadelphia Union e Orlando City da MLS, mas o mesmo já disputou a Premier Development League (PDL) pelo Reading United, além disso, já vestiu a camisa do Orlando City B e jogou a USL. Atualmente, o brasileiro está jogando a USL pelo Harrisburg City Islanders, clube por qual já defendeu em  2014. Sendo assim, Pedro Ribeiro nos contou como está a evolução do futebol nos Estados Unidos e qual as suas expectativas para a USL.

“O futebol nos Estados Unidos está cada vez mais popular e desenvolvido. Em todos os aspectos possíveis, como na parte técnica e tática, demanda, estrutura, torcida e muito mais. O futebol tem tudo para continuar crescendo, já que é o esporte mais praticado entre crianças entre 7 e 15 anos de idade. Minha expectativa é que a USL continue a sua ascendência, continue se estabelecendo como a segunda liga de maior relevância no país e como importante ponte para jogadores que querem chegar ao nível mais alto, que é a MLS”, disse Pedro Ribeiro.

O Harrisburg City Islanders disputa a USL. Fundada em 2010, a United Soccer League é uma liga profissional que envolve 30 equipes dos Estados Unidos e Canadá. Perante a US Soccer, a USL é a segunda liga de maior relevância no cenário futebolístico do país, igual a NASL que também ocupa a mesma posição. Então, Pedro Ribeiro nos contou como é o Harrisburg fora de campo.

“É um clube bem organizado e com um projeto muito bacana. Recentemente, o time foi comprado por uma empresa esportiva, que é uma marca muito forte nos Estados Unidos e na Europa. Eles são donos de outros clubes em várias partes do mundo, o que torna o clube uma boa janela para intercâmbio e desenvolvimento de jogadores”, contou Pedro.

O Artur é brasileiro, tem 21 anos de idade e joga como volante no Columbus Crew da Major League Soccer (MLS). Artur começou a sua carreira no Brasil, afinal, durante as categorias de base jogou no Bahia, Juventus de Jaraguá e no São Paulo. Porém, o volante foi revelado profissionalmente pelo São Paulo em 2016. Em 2017, o brasileiro foi emprestado para o Columbus Crew, que é seu atual clube.

Resultado de imagem para artur columbus crew

Crédito da foto: (Columbus Crew)

 O Alex é brasileiro, tem 28 anos e atua como meio-campista no Houston Dynamo da Major League Soccer (MLS). Alex foi revelado no Brasil pelo Grêmio Mauaense, mas transferiu-se em 2008 para o FC Wohlen da Suíça. Em 2009 e 2010, foi emprestado para o FC Gossau, equipe que também está localizada na Suíça. Porém, em 2011, o brasileiro retornou ao FC Wohlen. Em 2012, Alex foi contratado pelo Chicago Fire, que disputa a MLS. Em 2015, o meio-campista uniu-se ao Houston Dynamo e veste a camisa da equipe texana até os dias de hoje.

Artur e Alex, ao serem questionados sobre como está a evolução do futebol nos Estados Unidos, foram unânimes em dizer que este esporte está crescendo cada vez mais, principalmente a MLS.

“O futebol daqui está crescendo e  ficando mais disputado. Sem dúvidas, tem tudo para crescer mais ainda”, afirmou Artur.

“A MLS está evoluindo cada vez mais e a cada ano trazendo mais jogadores com nome, atletas com mais experiências durante a sua carreira. Todo mundo sabe que a MLS será uma das melhores ligas do mundo. Isto está claro. Afinal, a liga tem muitos patrocinadores, os estádios estão sempre cheios e a estrutura é excelente. Sem sombras de dúvidas, daqui a poucos anos a liga será uma das melhores do mundo. Então, o futebol nos Estados Unidos está evoluindo”, disse Alex.

O Columbus Crew e o Houston Dynamo disputam a MLS. A Major League Soccer é considerada pela US Soccer a liga de maior relevância do país, sendo assim, é um dos campeonatos que proporciona às equipes a chance de disputar a CONCACAF Champions League. A liga composta por 22 times, entre eles 19 estadunidenses e 3 canadenses, divididos em 2 conferências. Sendo assim, Alex e Artur nos contaram como é a estrutura oferecida pelos clubes da MLS aos seus atletas.

Resultado de imagem para Alex Houston Dynamo

Crédito da foto: (Houston Dynamo)

 “O Columbus Crew tem uma proposta de jogo muito boa, uma comissão técnica qualificada e um grupo bem preparado. Estou aprendendo o máximo possível  aqui, pois a estrutura é boa. Simplesmente, temos tudo que precisamos”, contou Artur.

“A MLS é dona de todos os clubes. Então, todos os clubes tem a mesma estrutura, tanto o Chicago, que eu já joguei, quanto o Dynamo. A estrutura do Houston Dynamo é espetacular, pois tem tudo. Não há o que reclamar”, declarou Alex.

Aproveitamos a oportunidade para perguntar a cada atleta, se o futebol brasileiro deve se espelhar no futebol norte-americano. Afinal, é um tema bastante comentado entre os amantes do esporte, obviamente, seria bom analisar e buscar uma conclusão. Na opinião do Bruno Militz, o Brasil é melhor dentro de campo do que os Estados Unidos, porém, em diversos aspectos fora de campo o Brasil é inferior aos Estados Unidos. Já o Pedro Ribeiro declarou que ambos os países podem melhorar em conjunto. O Artur disse que não precisa se inspirar 100%, apenas em alguns aspectos específicos, afinal, nada é perfeito. Porém, segundo o Alex, não dá para o futebol brasileiro se espelhar no futebol norte-americano, pois não há comparação, afinal, o Brasil tem mais tradição.

“Dentro de campo eu acredito que não precisa se espelhar, pois temos um futebol de ótima qualidade. Talvez a questão do respeito aos outros jogadores, por conta da nossa cultura, poderia ser um ponto a ser espelhado e melhorado. Por outro lado, a questão da infraestrutura, respeito dos torcedores e brigas de torcidas organizadas, todas estas questões deveriam ser espelhadas no futebol norte-americano. Chamamos o Brasil de País do Futebol mas, se formos olhar a média de público, estamos muito abaixo de diversos países. Principalmente dos Estados Unidos, pegamos como exemplo o Orlando City, que tem seu estádio cheio em todos os jogos da temporada, sem exceção. Temos muitas coisas a nos espelhar e aprender. Espero que o Brasil evolua, pois estamos decaindo muito com o passar dos anos”, analisou Bruno Militz.

“Eu acredito que em ambos países existem aspectos que possam ser melhorados, logo, mudanças podem ser feitas para a melhora de ambas as ligas”, declarou Pedro Ribeiro.

“Não diria necessariamente se inspirar, mas talvez poderiam tirar alguma coisa ou outra para melhorar, porque  nada é perfeito e sempre podemos melhorar”, disse Artur.

“O futebol brasileiro é um futebol de tradição, que a cada ano saí muitos jogadores para a Europa. Não tem comparação. O futebol brasileiro é outro nível, sem comparações com o futebol dos Estados Unidos. Por exemplo, a MLS tem muito que melhorar, menos na estrutura e nos estádios, isso não precisa melhorar, mas o nível do futebol brasileiro é elevado quando se trata de qualidade técnica, formação de jogadores e treinadores. Então, não tem comparações”, afirmou Alex.

No geral, podemos concluir que os Estados Unidos está evoluindo no futebol, mas é um processo longo. Afinal, o futebol norte-americano está muito avançado quando o assunto é ligas universitárias e Major League Soccer, mas quando se trata de ligas com menor expressão ainda tem muito que evoluir. Outro ponto analisado é que as estruturas dos clubes são boas e por mais que precise melhorar em alguns aspectos, ainda é melhor do que em muitos países. Além disso, analisamos que dentro de campo os Estados Unidos precisa evoluir na parte técnica e tática, mas fora de campo o trabalho está impecável.

Amorebieta

Pedro Ribeiro (2 Posts)


Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe uma resposta